segunda-feira, 6 de junho de 2011

SUBSÍDIO É BOM PRA QUEM

Segundo o Governador Antônio Anastasia, o subsídio implantado no início deste ano “modernizou e tornou transparente o sistema remuneratório dos servidores da educação, é resultado de estudo para unificar a remuneração dos servidores, eliminar distorções e simplificar os processos administrativos para a geração da folha de pagamentos” (Nota publicada em 27/05/11).

Se o subsídio, de acordo com o Governador, é tão bom assim, tem resultados tão positivos, porque ele não apresentou a mesma proposta para os servidores da segurança pública?

A proposta anunciada nesta segunda-feira para a Segurança Pública aumenta o vencimento básico em 97%. O piso salarial do Soldado passaria de R$2.041,73 para R$4.022,24. Estamos falando de Piso, vencimento básico, inicial de carreira, referência para as demais gratificações, conforme o Supremo Tribunal Federal julgou no caso do Piso Salarial da educação. Percebemos que o Governador sabe a diferença de Piso Salarial e Remuneração!

Subsídio não é uma política de remuneração adequada para os servidores de carreira.
A Constituição Federal estabelece que

“O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI”. (artigo 39, § 4º)

É uma forma de remuneração para quem não tem carreira.

Acho fundamental a nossa categoria refletir sobre o fato de que o subsídio foi proposta apenas para a educação. O Governador tenta, com a proposta apresentada aos servidores da segurança pública, reconhecer um Piso salarial que está em discussão no âmbito do Legislativo. É uma proposta parcelada até 2015. Não sei qual a resposta das categorias da Polícia Militar e Polícia Civil. Elas têm assembleia também nesta quarta-feira.

Espero que tudo isso convença aqueles que ainda estavam indecisos em iniciar a greve no dia 08 de junho.

O fato do Governador não apresentar o subsídio para as demais categorias de servidores públicos significa que este modelo de remuneração não deu certo.
Não será a educação a pagar esta conta!!!


33 comentários:

cidajaiba2009 disse...

Concordo plenamente, Bia! É hora de unirmos novamente para fazer um grande movimento em defesa do nosso piso que nem é tem valor tão alto assim. Vamos à luta!

Anônimo disse...

A lei está a nosso favor, devemos levar essa greve para as ruas, alertar a população. Quando o governo soltar alguma nota condenando a grve , o sindicato deveria fazer uma explanação simplificada sobre a lei do piso e desmascarar esse governo perante a população.Esse momento é nosso, será que a princípio o sindicato não deveria exigir o cumprimento da lei para depois cobrar um aumento significativo, não que não mereçamos ganhar o piso da cnte

Luciano História disse...

Beatriz, entrei no Estado sem direito a biênios e quinhênios, sei através do blog do Euler que a carreira antiga é mais vantajosa principalmente pelo fato de está atrelada ao piso e por possuir promoções e progressões com percentuais maiores , por isso devemos lutar por ela, porém um fator que não pode ser esquecido pela liderança sindical é o fato de uns terem direito a gratificações e outros não,vejo que os colegas que não tem direito a quinhênios e biênios são os que mais estão em duvida sobre o movimento grevista, por lei o governo tem que pagar o piso mas nenhuma lei obriga ele a voltar com essas gratificações para todos.Beatriz, como a liderança sindical pensa em resolver essa situação?

Anônimo disse...

Algumas informações colhidas via MSN e facebook com colegas de diferentes regiões e Colegas da Região:
1- Mesmo colegas que optaram pela carreira antiga bem no começo ( março, abril...) Ainda estão posicionados no subsído. Não foi publicado na IOFmg, nenhuma mudança.Portanto fácil dizer que maioria está no subsídio.
2- Vi alguns comentários sobre corte no ponto de quem aderiu à paralisações.Pediram realmente listagem, mas nada disseram sobre corte de ponto.(pelo contrário, o que foi dito é que os pontos não deveriam ser cortados)
3- Algumas subsedes estão fazendo um belo trabo,como exemplo as do norte mineiro que deveria servir de exemplo para todos.
3- Em conversas com colegas de outras regiões mineiras, via MSN e facebook, vou colhendo informações sobre várias regiões.Enquanto no Norte,subsedes tem atuaçaõ exemplar, me pareceu que em outras regiões estão "dormindo".Alguns professores do sul de MG e Centro-oeste, por aqui na região centro( interior).
4- Gostaria de ter alguma informação das subsedes que englobam a turma de Conselheiro Lafaiete.
5- Essa greve não pode começar enfraquecida e desacreditada,precisa de FORÇA TOTAL. O que sinto é maioria das escolas carecem de líderes, para dar o "primeiro empurrãozinho".
Sinto que é necessário que as subsedes, tentem dar esse "empurrãozinho", nas escolas, pois algumas, os professores acreditam que precisam paralisar, falta porém liderança...e no final, fica só no "querer".
Professora envergonhada,por ver pessoas do norte mineiro viajarem tanto para manifestações e nós que moramos relativamente mais perto, ficarmos estagnados.
Acredito que se as subsedes,visitarem algumas escolas nesse momento, podem conseguir uma adesão significativa! Um grupo de professores está tentando por aqui. Espero que tenhamos sucesso, não para amanhã, pois o movimento começou hoje. Mas para os próximos dias..( antes tarde que nunca!!!)
Pessoas da SRE visitando escolas com muita frequência, com desculpas de repassar informações (na verdade fazer propaganda de programas do Governo...que já estamos cansados de conhecer) parece desculpa para captar como está a adesão na escola.
Hoje desanimada....mas amanhã pode ser outro dia. Que esse marasmo seja vencido pela classe e todos decidam pela luta!!!!!
Que Deus ilumine à todos!!!! Abraços!
( Desculpa se não assino,mas como estou falando de situações e não expressando MINHA OPINIÃO,achei por bem ficar anônima).

Beatriz Cerqueira disse...

Prezado colega,
o sindicato produziu um material que acredito possa nos ajudar na discussão do direito de greve e as questões relacionadas ao Piso Salarial. O valor de R$1597,00 reflete a correta atualização do Piso Salarial desde 2008. O valor de R$1.187,00 signfica um valor com dois anos de defasagem na sua correção. A imprensa que tem procurado o Sindicato tem compreendido e divulgado o valor que defendemos. O que precisamos é que o Governo apresente as tabelas salariais. Se a referência dele for R$1.187,00, ele (o governo) precisa apresentar as tabelas.
Um abraço,
Beatriz

Beatriz Cerqueira disse...

Este material será entregue na assembleia de amanhã. Também postarei as informações aqui.

Anônimo disse...

As subsedes precisam se mobilizar para conscientizar todas as escolas a aderirem a greve. Não estou vendo isso acontecer na minha região de Ponte Nova. Precisamos de líderes que nos deem segurança e possam nos fortalecer nas bases.

SI Freebie disse...

Parabéns pela iniciativa!

SI Freebie disse...

parabens

Ivana Prudente disse...

Parabéns pela iniciativa!

Cida Ribeiro disse...

Olá, Beatriz! Estamos lutando por um direito que já é nosso por lei. Se o subsídio fosse bom, o governo não o apresentaria para o funcionalismo,pois tudo o que conseguimos foi através de nossa própria luta, nunca de "mão beijada". Acredito que o sindicato precisa implementar a mobilização no interior, deslocando pessoal das subsedes para as escolas, para que haja mais esclarecimentos e mais adeptos. Reuni material colhido no site do sindUTE/MG, blog do Euler e do Filocre, e já apresentei em 3 escolas. Fui convidada para estar em outra, também em nosso município. Estou fazendo minha parte. Se os colegas não quiserem agir, não será por falta de instrução. E eu diria mesmo que será por covardia! Um abraço! A vitória será nossa!!!

Elton disse...

Parabéns pela iniciativa!

Elton disse...

Parabéns pela iniciativa!

Deputado Rogério Correia disse...

Beatriz, parabéns pela iniciativa e pelo trabalho na coordenação do Sind-UTE/MG, sempre atuante e decisivo na conquista dos direitos dos trabalhadores da Educação. Reafirmo o compromisso dos 23 deputados do Bloco Minas sem Censura em apoiar às lutas da categoria por melhores condições de trabalho e valorização profissional. O Piso Nacional é um direito adquirido por Lei e, portanto, precisa ser pago pelo governo de Minas. Também sou professor e vou defender essa bandeira até o fim. Conte comigo!

Um abraço,

Deputado estadual Rogério Correia(PT)

Romero disse...

Beatriz. Vc merece aplausos, porém a nossa classe profissional é muito desunida. Tenho vergonha de mostrar meu contracheque para os colegas, porque meu salário após 35 anos de sala de aula é muito baixo. Desejo muito sucesso para vc e tomara que os trabalhadores em educação se conscientizem da necessidade de união para termos força nesta greve.

Anônimo disse...

Nao faço parte da categoria mais reconheço o valor e os direitos de vcs, admiro a luta por melhores condicoes.

Professor Antônio Sérgio Mendes (Escola Estadual Cônego Figueiró, pertencente a jurisdição da 43ª S.R.E de Araçuaí) disse...

Parabéns Beatriz por tão bem representar nossa categoria. Apesar de estarmos longe da capital (Nordeste de Minas - Vale do Jequitinhonha) estamos unidos nesta luta onde o Profissional do Ensino não é valorizado por este governo que vende mentiras através de suas propagandas enganosas. Quem se coloca contra os educadores do Estado de Minas Gerais está contra o ensino de qualidade do Brasil. Que Deus nos Ilumine nesta Batalha. Professor Antônio Sérgio Mendes - Francisco Badaró

Rosangela de Aguiar disse...

Beatriz, sempre acompanho seu trabalho, sua luta,transparência,competência e simplicidade.Sou sindicalizada há 18 anos e pela primeira vez me orgulho de uma Direção Sindi Uti Educação. A Forma que você conduz os trabalhos é de uma excelência e postura que me fazem vibrar e acreditar que se a classe permanecer unida ao seu comando,estaremos caminhando para uma educação de qualidade,com pretensões mais do que justas,situação que em nosso processo histórico, nunca aconteceu. Vivenciamos uma política de farsas,interesses próprios, estatísticas mentirosas.Parabéns, força e ânimo,pois sei o quanto é difícil e arriscado legitimar uma classe ainda em organização. Isto pela falta de credibilidade de Direções passadas que só usavam nosso dinheiro de forma indevida.Não possuíamos contatos com a mídia,que com certeza,é imprescidível na nossa causa, mesmo que o custo seja alto.Mas a sociedade precisa entender com clareza todas as situações vivenciadas por nossa categoria e como reage o nosso Patrao,o governo,com seus falsos artifícios de discursos para emgalobar os que não tem conhecimento da causa.
Além das Assembléias,vamos convocar através da Mídia o retorno as atividades apenas depois de documentos assinados para a solução das reivindicações tão necessárias. Muitos professores estão em estado de miséria,doentes, agredidos pela violência dentro de escolas caindo os pedaços,sem condições de funcionamento , sem segurança,sem materiais básicos como giz e papel para ministrarmos uma aula.
E se eu for estender os problemas vivenciados,escreverei um livro.kkk
Mas pelo menos agora, me sinto mais confiante e feliz em estar participando dos compromissos deste sindicato. E um fator importantíssimo de se comentar...Bem acessorado juridicamente.
Parabéns e abraços à toda a equipe.

Professora: Rosângela de Aguiar Santos - Literatura e Língua Portuguesa.(EE Francisco Menezes Filho e EE Prof. Guerino Casassanta). Belo Horizonte/Ribeirão das Neves.

rosangela_aguiar@hotmail.com

kasanta disse...

Pena que uma parte considrada dos profissionais da educação não se mobilizam para conquistar seus direitos. Esse momento é nosso. Não podemos deixá-lo passar.Parabéns Beatriz, pela sua coragem,disposição e capacidade de liderança. Meus colegas de trabalho estão inertes, como se nada estivesse acontecendo. É uma pena os profissionais da educação não atomarem como exemplo.

farleyolegario@bol.com.br disse...

é acho que o sindiute tem se organizar mais

Cacilda Torres disse...

Mesmo com apenas 07 anos na rede estadual desde o início me decidi pela carreira antiga.
Percebi que este subsídio engana, mas várias pessoas na minha escola ainda acham vantagem o ganho em dinheiro que tiveram e decidiram ficar com subsídio. Estou imprimindo os esclarecimentos e texto do blog e colocando na Sala dos Professores para tentar mudar a cabeça de alguns que insistem em fica na nova forma remuneratória.
Cacilda Torres

Prof. NILBERTO disse...

Olá!

Já não aguento mais essa história:
"nossa classe é desunida"! vamos parar com isso! em primeiro lugar, se casamento (duas pessoas) já é difcil se acertar, imagine milhares.
Em 2°, nossa luta é contra o governo e suas ideologias, nao podemos deixar isso virar uma briga entre nós mesmos!

Elenita disse...

Beatriz,fico feliz em ver frente ao nosso sindicato uma pessoa de raça como você. Há muito precisávamos de alguém com a sua postura, para lutar pelos interesses da classe. Classe essa que ainda permanece desunida, apesar do massacre que tem sofrido por parte dos governos, no decorrer dos anos. Mas ainda tenho esperança.

Raimundo Santos disse...

Prezada Beatriz,

talvez você não se lembra, mas no final da greve do ano passado, momento em que esta se achava no seu ápice, o Sindeute dessidiu que era hora de acabar com ela.
Naquele dia, a Praça da Assembléia estava lotada como nunca antes. Entretanto, muitos que lá estavam não eram professores, mas sim infiltrados do governo estadual. Entre estes se achavam policiais à paisana, mães e pais de alunos, alunos, e outras figuras, possivelmente compradas pelo govertno do Estado.
Estes infiltrados estavam ali, não para apoiarem os professores, mas sim para levantarem a mão no momento oportuno. É que para determinar o fim da greve de professores basta levantar a mão. E como os infiltrados eram tantos, foram eles quem decidiram os rumos da greve no ano passado.
Você deve se lembrar muito bem que naquele dia, subi até o palco onde você estava para informá-la da situação. Disse a você, “tem infiltrados em todos os lugares aqui”...Eles decidirão os rumos da greve.. .Ainda disse a você que a greve não poderia terminar daquela forma. Seria necessário marcar um outro encontro, em que somente professores estivessem presentes, com seus contracheques em mão. Você não escutou e conduziu o término da greve...Que pena!!!
Espero que este ano não passemos peloo mesmo vexame, que não sejamos mais uma vez enganados...
Estamos de olho...!

Outra coisa: nos últimos 10, 20 anos, temos visto a mesma situação: assembléias, discursos, passeatas...Entretanto, o salário do professor continua cada vez mais achatado. É preciso ousar mais, propor ações mais dinâmicas e concretas juntamente com a greve. É preciso agredir mais o governo, os políticos, os magistrados, que pouco se importam com a Educação. É preciso denunciar os conchavos que acontecem na Assembléia Legislativa, é preciso propor uma campanha de voto nulo junto à comunidade escolar, junto à população em geral...
Também é preciso que sejamos realistas: o governo conhece nossa fragilidade, o governo tem o controle da classe, pois ele a fragmenta e a desestabiliza cada vez mais através do uso de designados, efetivados, etc. Qualquer um pode dar aulas hoje, quer seja preparado ou não. E o governo quer que este quadro continue assim mesmo, pois assim será mais fácil manipulá-lo.
A greve é um instrumento legal e legítimo para nossas reivindicações. Entretanto, sejamos mais criativos e mais agressivos ao lidar com políticos sujos e um sistema político nefasto. Sabemos que sempre haverá pelegos infiltrado na classe, e por isso devemos ser mais audaciosos e dinâmicos na nossa proposta de greve.

Atenciosamente,

Raimundo Santos

Anônimo disse...

Beatriz,

Estamos lutando aqui em Leopoldina e precisamos de mais mobilização em nossa região!!

Nikolas Spagnol disse...

Prezada Beatriz, em solidariedade aos professores de Minas, publiquei no site www.ahcidade.com um artigo resumindo a questão salarial da categoria, o regime do subsídio e a defasagem histórica no salário dos professores nos últimos 20 anos. Citei também algumas declarações suas à Rádio Itatiaia. Espero que goste. Link: http://ahcidade.com/2011/06/prioridade-zero/

Anônimo disse...

Cara Beatriz,pasme! Professores de Barão de Cocais,mobilizaram-se por tres dias, em protesto pelo corte de pagamento de horas complementares e lógico pelo piso.Não é que o SR.Prefeito hoje publicou edital para contratar substitutos.

virginia lima disse...

Parabéns Beatriz.
A sua coragem encoraja o nosso professorado.
É uma satisfação fazer parte de sua base de apoio.Assessoria Regional do Deputado Padre João/Médio Piracicaba

Anônimo disse...

Minha cara Beatriz,

Você, com sua coragem e dignidade, tem se mostrado disposta a levar a nossa luta adiante. Estou confiando mais no Sind UTE com você à frente das negociações. Mulheres de fibra e coragem como você costumam fazer parte da História de uma classe, de um povo, de um país.
Tenho uma curiosidade: você foi ou é professora?
Paz e sucesso!!!

Zena Mendes disse...

Olá Beatriz

Moro em Rio Pardo de Minas. A escola na qual trabalho se encontra em greve parcialmente. Esperamos conseguir a adesão de todas, mas as subsedes da região estão devagar.
Vamos a luta .

Anônimo disse...

espero que a categoria responda ao chamado greve ja piso já.

Anônimo disse...

Engraçado, logo no primeiro parágrafo do Inform@ Nº24, de 20-01-2011, o SIND-UTE traz a todos os professores "ESCLARECIMENTOS SOBRE SUBSÍDIO". Como filiado que sou, recebi um exemplar do Boletim a que me refiro. Ao ler o início do texto ("Os 47 dias de greve em 2010"...), causou-me espécie o fato de na 4ª linha o SIND-UTE afirmar que o SUBSÍDIO "NÃO ERA O QUE REIVINDICÁVAMOS, MAS REPRESENTARÁ UMA IMPORTANTE MUDANÇA SALARIAL PARA PARTE DA NOSSA CATEGORIA" (sic). Mudança??? Para "parte" da categoria?
Admiro a luta de todos os professores e da atual Diretoria do SIND-UTE e de uma MINORIA de deputados na ASSEMBLEIA LEGISLATIVA de MINAS GERAIS,que lutam com afinco para nos defender, mas não podemos ficar TATEANTES, aceitando qualquer migalha e depois (como sempre, "para variar") a perlustrar a via angulosa da incerteza. Trabalhei 32 anos em uma Escola do Estado de Minas Gerais e o investimento na EDUCAÇÃO continua o mesmo de 1974 (IN ILLO TEMPORE eu iniciava ingenuamente a minha "carreira" no MAGISTÉRIO). Hoje, aconselho aos neófitos, aos novatos: INDEPENDÊNCIA ou MORTE, id est, "saiam nas carreiras" ou FAÇAM VALER OS SEUS DIREITOS.
PSPN (Piso Salarial Profisional Nacional)já!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!O SUBSÍDIO É UMA IMPOSIÇÃO DO Governo à EDUCAÇÃO, uma "anestesia" tão somente na EDUCAÇÃO.
- Afinal, vamos pagar "essa conta"?

Parabéns aos professores e à nova Diretoria do Sind-Ute.
ALEA JACTA EST.

camila disse...

Bia,sou contratada e queria saber se a greve vai me favorecer.obrigada.