segunda-feira, 6 de junho de 2011

QUANDO A LUTA SE TRANFORMA EM CONQUISTA

Este texto é uma homenagem a uma grande mulher e através da sua trajetória quero registrar uma importante vitória da nossa categoria.
Falo de uma professora que mora e trabalha em Jaíba, cidade do Norte de Minas e distante 628 km de BH.
Ela não se intimidou com o Poder do Prefeito e denunciou a Prefeitura de Jaíba por irregularidades na aplicação dos recursos financeiros do Fundeb.
Teve a coragem de se candidatar ao cargo de diretora da Escola Estadual Zoé Machado.
Por esta coragem enfrentou o poder político da Superintendência Regional de Ensino de Janaúba que atuou contra a sua candidatura.
Enfrentou uma campanha difamatória por participar ativamente de todas as atividades do sindicato, inclusive a greve. Foi imputada a ela e ao grupo a responsabilidade pelas paralisações em defesa de um salário decente. Foi acusada de pertencer a “chapa dos grevistas”.
Enfrentou a violência física ao ter o seu colega de chapa agredido com socos dentro da escola na presença dos alunos enquanto dava aula.
Por tudo isso, o resultado da eleição apontaria uma derrota. Mas ela ganhou.
A vitória dela expressa uma vitória da categoria.
Muitos colegas acharam irrelevante o processo eleitoral. Mas vários resultados pelo estado apontam que as escolas passarão a ser administradas por pessoas comprometidas com o coletivo, com a educação de qualidade e principalmente não serão meros portadores da vontade do governo. Representarão a vontade da comunidade escolar, com capacidade de questionamento, discernimento e postura em defesa da categoria e da comunidade.
Nos últimos anos vários diretores se esqueceram de que pertencem a mesma categoria que professores, Auxiliares de Serviços, Assistentes técnicos, Especialistas. Ser diretor é uma situação temporária, ele sofre com os mesmos problemas que os demais profissionais da educação.
Esta mulher é a Maria Aparecida, a Cidinha. Que a vitoria dela e a vitoria de tantos outros seja o início de uma mudança na gestão das escolas estaduais de Minas Gerais.
Professora Beatriz Cerqueira

20 comentários:

José Alfredo Junqueira disse...

É realmente um grande exemplo de coragem.Aqui em Leopoldina talvez tenhamos uma decepção.Na escola que você veio,o outrora famoso Gymnasio Leopoldinense,a resistência à greve está grande.É inexplicável.Há um medo ou coisa parecida no ar.Nem a paralização do dia 8 foi aprovada.Mas eu,Sidilúcio e mais 2 ou 3 professores vamos participar da greve.Tem uns 10 que dizem que vão aguardar uns dias "para sentir como está o movimento"????São justamente os prfs com mais tempo de serviço,que o subsídio não os contemplou.É uma contradição.Vamos torcer que o movimento grevista seja forte e sejamos mais uma vez vitoriosos,apesar dos medrosos.

cidajaiba2009 disse...

Valeu, Bia!
Vale lembrar que tudo isso só foi possível graças a brilhante atuação do Sind-UTE/MG que a cada dia nos fortalece e nos mostra que não existem fronteiras para a luta por um mundo melhor. Obrigada a Deus que nos ilumina, a você e a todos os/as companheiros/as que fazem essa caminhada conosoco!

Beatriz Cerqueira disse...

Prezado José Alfredo
quero, em primeiro lugar, parabenizar a organização de vocês de Leopoldina. No dia que estive aí participei de várias atividades. Vocês são muito organizados. Em relação a adesão à greve, é um processo de convencimento.
Abraço
Beatriz

Dimas Nunes disse...

Parabenizo Cidinha pela força de vontade e disposição para atuar nesse cargo. Fui diretor durante 6 anos na EE Norte Mineira de Capitão Enéas e observei de perto todos os intraves que a administração pública impõe àqueles que não seguem sua cartilha. E vejo que é justamente isto que ela vai enfretar frente a direção da escola, mas que Deus te ilumine e te dê forças nesta nova caminhada.

Professor Dimas.

BARRETO disse...

PARABÉNS CIDINHA - ESTOU AQUI, EM SÃO JOÃO DO PARAÍSO-EXTREMOS NORTE - ALTO RIO PARDO - PARTE DO CENÁRIO DE JOÃO GUIMARÃES ROSA - AQUI, É A POLÍTICA DE PÃO E CIRCO - CONTINUARAM OS MESMOS NAS DIREÇÕES DA ESCOLA - UMA VERDADEIRA OPRESSÃO - HAVIA CHANCE E TERMOS GESTORES MENOS AUTORITÁRIOS, MAS O MEDO, FEZ DE MUITOS COMPANHEIROS BOVINOS, ABAIXARAM A CABEÇA - EU, FUI APROVADO NA CERTIFICAÇÃO - PROPUS EM DUAS ESCOLAS, A FORMAÇÃO DE UMA CHAPA ALTERNATIVA - NINGUÉM ACEITOU - HÁ UM PRECONCEITO ENORME CONTRA A MINHA PESSOA - SABEM POR QUê ? SOU LIVRE, NÃO ACEITO MARACUTAIAS - HÁ COLEGAS, QUE INFELIZMENTE, PREFEREM O PIOR, NÃO POR OPÇÃO, MAS POR ACOMODAÇÃO - ESTRANHO É O SEGUINTE - TODA GREVE LIGAM PARA : LÍDIO, VAMOS FAZER GREVE, GRAVE A PROPAGANDA - TENHO UMA LUTA SOLITÁRIA - VOU ÀS RÁDIOS DOU ENTREVISTAS - ENTENDO A APATIA - "DIZEM : QUE O MEDO UNE MAS DO QUE O AMOR, A CORAGEM" FIZ UM CAMINHADA COM ALGUNS ALUNOS PELAS RUAS, IGREJAS , CAMPOS DE FUTEBOL, BARES E RESTAURANTES , ESCOLAS - COLHENDO ASSINATURAS PARA ENTREGA AO SR. GOVERNADOR O PEDIDO DE NOVAS INSTALAÇÕES PARA A ESCOLA ESTADUAL MENDES - LÁ NÃO QUADRA ESPORTIVA, ESPAÇO PARA PALESTRAS, ESPAÇOS CULTURAIS - COMO DIZEM MUITOS ALUNOS : AQUI É A PERIFERIA, APESAR DA ESCOLA ESTÁ NO CENTRO - MAS POR QUE PERIFERIA ? TUDO QUE É OBRA RUIM VAI PARA ÇA PERIFERIA : CADEIA, LIXÃO, ETC.ETC.
TUDO ISSO FIZ E A LUTA CONTINUA - AINDA ESTOU EM CHOQUE, FOMOS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRÂNSITO, Q UANDO ÍAMOS PARA OURO PRETO, PROSTETAR
OLÁ BIA, BEATRIZ CERQUEIRA - CONTE TAMBÉM ESTA MINHA LUTA - ESTOU CANSAÇADO COMPANHEIRA - ATÉ A MINHA FILHA, SOBRE CRÍTICAS POR EU SER ASSIM - TENHO 44 ANOS, E NUNCA FIZ NEGOCIATAS - 1989, ESTÁ AÍ, NA PRAÇA SETE, PINTANDO OS JOVENS-CARA-PINTADAS - PARTICIPEI DO ABRAÇO CIDADÃO NA AVENIDA CORTORNO DE BH. MAS, NUNCA DEIXEI DE SONHAR E ACREDITAR : QUE O POVO É MUDOU E PODERÁ MUDAR O BRASIL -
CARA BIA - TAMBÉM FUI LÍDER ESTUDANTIL, ENFRENTEI O UJS, PARA RETIRÁ-LOS DO DCE-UNIMONTES - ÚNICO ESTUDANTES QUE NO ANO DE 2003 - ACEITOU DE FAZER UM PROGRAMA DE RÁDIO NA FM/UNIMONTES, ISTO NUM UNIVERSO DE MAIS DE 4.000 ESTUDANTES - E TEM MUITO COLEGA
ADMIRO A SUA LIDERANÇA - ESTAMOS EM BOAS MÃOS

leoseixas.seixas1 disse...

Professora Cida,

Meu nome é Leandro Silva Andrade, sou Inspetor Escolar aqui em Montes Claros e gostaria muito de conhecê-la pessoalmente. Já fui Inspetor Escolar na SRE de Janaúba e sei muito bem como eles tratam essas questões que os deixam a perigo.
Parabéns pela luta!!! Viva a democracia!!!
Minha filha mora em Jaíba e quando eu for visitá-la procurarei por você.

leoseixas.seixas1@hotmail.com

Dioni. disse...

Olá Bia.
Estive com você na reunião de Cataguases.
A minha escola, Marieta Soares Teixeira já está paralisada mais as outras estão em compasso de espera.
Quanto as eleições, creio que temos que repensar alguns pontos, pois infelizmente muitos abusaram da ausência de regras claras para o pleito o que levou a prática de absurdos que só viamos na época do cabresto e as quais nós educadores não poderiamos nunca aceitar.
Que Deus nos ajude nesta luta pois ela é justa e digna.
" Fiat justitia et ruat caelum"

Prof. NILBERTO (Datas) disse...

Olá!

Já não aguento mais essa história:
"nossa classe é desunida"! vamos parar com isso! em primeiro lugar, se casamento (duas pessoas) já é difcil se acertar, imagine milhares.
Em 2°, nossa luta é contra o governo e suas ideologias, nao podemos deixar isso virar uma briga entre nós mesmos!

Educação e Meio Ambiente disse...

Bia postei um comentário ontem dia 8/06 e não o vejo.
Abraços.
Dioni-Cataguases.

celia disse...

Beatriz, bom dia!

Primeiramente parabéns pela iniciativa. Assim teremos um canal direito de diálogo com você.

Meu nome é Maria Célia Ribeiro, sou Assistente Técnico Educacional, sou lotada e em exercício na Superintendência Regional de Ensino de Barbacena. Trabalho no setor de pagamento da SRE e para tanto tenho conhecimento suficiente sobre toda a legislação pertinente aos servidores da Educação como um todo.

Em 2005, nós servidores administrativos que trabalhávamos no setor de pagamento das SREs, estávamos reivindicando uma gratificação para o setor e procuramos o Sind UTE para que nos dessem apoio e abraçassem a nossa causa. Recebemos um “não” como resposta com a alegação de que o Sind UTE luta apenas pelos professores, pelo magistério. Procuramos então o SINDPÚBLICOS-MG que nos acolheu com muito interesse e nos ajudou em tudo que precisamos.
Fui Diretora Estadual do SINDPUBICOS-MG até fevereiro de 2011, solicitei minha renúncia por divergências de pensamentos e do “modus operandis” do mesmo, pois acho que atualmente estamos num marasmo só!
Como servidora do setor de pagamento fiz várias reuniões pelas Escolas Estaduais da nossa jurisdição esclarecendo sobre o subsidio, fui muito imparcial, não pendi nem para um lado e nem para outro, fiz muitos esclarecimentos e demonstrei algumas realidades através de exemplos. Se um dia você se interessar mando o material que utilizei para você verificar, pois todo ele foi elaborado por mim.

Enfim, tudo isto que escrevi é para saber qual é a posição do Sind UTE em relação aos servidores Administrativos das SREs, SEE e Órgão Central?
Já analisei o boletim desse sindicato com relação as reivindicações para nós servidores Administrativos e vi que nenhuma delas é viável, alias, é impossível de se conseguir.
Teria como nós, servidores Administrativos apresentarmos para vocês propostas concretas? Propostas que realmente atendesse nossas necessidades? Se nos filiarmos ao Sind UTE vocês realmente lutaria por melhores condições salariais para nós Administrativos também?

Obrigada e aguardo contato

Segue abaixo meu e-mail para maiores esclarecimentos

mcrc2003@yahoo.com.br

antonio disse...

são pessoas como a cidinha que nos dão força e+coragem para continuar sendo professor(não os colegas pelegos).Quero aqui dizer que em rRio Pardo de Minas também tem um companheiro eleito.Aluta vale a pena sim e não conseguimos unanimidade na luta conseguimos ter pessoa de qualidade nessa luta....avante beatriz e compania.

Rogério disse...

Parabéns Cidinha (Katita) por mais essa vitória. Sei de sua luta, já antiga, juntamente com o cumpadre Reis, que já havia tentado o mesmo no último pleito. Parabéns também a todos os demais envolvidos no processo, desde o início, ainda desconfiados, até o dia da eleição com a consagradora vitória. Desejo tambem, do fundo do coração, que este fato sirva para acordar os cidadãos de Jaiba. Existe muita cabeça pensante boa na cidade que parece estar adormecida. ACORDA GENTE. O paraíso está logo ali. Não podemos ficar dependendo somente de Cidinha. Estamos precisando de ATITUDE. Está provado que é possível.

Beijos a vc Katita e mais uma vez parabéns a todos os envolvidos no processo.

José Antônio de Paiva Marcos disse...

Fico feliz por participar dessa subsede que tem uma gerreira a frente. Que acreditou que nós, sim, podemos. Cidinha é um exemplo de luta a ser seguido. Parabéns a todos responsáveis por essa vitoria. Em Mocambinho Projeto Jaiba tentamos mas não coseguimos, mas a Chapa 2 "Por uma educação de Qualidade" deixou o seu recado na E.E. Augusto Martins Ferreira. Como bons brasileiros e sindicalistas a gente não desiste nunca, a luta continua.
Um abraço a todos.

Professor Marcos

José Antônio de Paiva Marcos disse...

Falando em Leopoldina, precisa fazer uma campanha de conscientização na Cidade de Recreio. Cidade onde nasci e estudei toda educacação básica e era sempre ligada ao movimento sindicalista. Hoje não vejo participação dessa cidade em nenhuma de nossas greves.

Acorda RECREIO !!!!

Saia desse marasmo e apagão educacional.


Professor Marcos

Cláudia disse...

Essas últimas elições para dirigente escolar foi um verdadeiro absurdo pq quem está diretor fica bonzinho para continuar e com isso conseguem que muito o apoiem, e sem contar com alguns profissionais que não fizeram outra coisa a não ser fazer campanha de difamação de outro candidatos da oposição. Fiquei envergonhada.

virginia disse...

Infelizmente, o exemplo que tínhamos de liderança ano passado na greve, agora mostra-nos uma outra face, uma colega que na grve de 2010 foi tão guerreira, este ano ao assumir a vice-direção da nossa escola, mudou totalmente o seu discurso. Lamentável como o poder sobe pra cabeça, e esta situação esta acontecendo em várias escolas aqui no Norte de MInas, temo que isso enfraqueça o movimento. Espero que não.
14/06/2011 Janaúba

celia disse...

Beatriz, bom dia!

Gostaria de receber resposta quanto aos meus questionamentos.

Obrigada,

Maria Célia

Raimundo Santos disse...

Prezada Beatriz, pela terceira vez posto meu comentário aqui, mas pelo visto você se nega a mostrá-lo no seu blog porque, assim como os outro comentários aqui, não traz, necessariamente, elogios a você. Vejamos mais uma vez!

Talvez você não se lembra, mas no final da greve do ano passado, momento em que esta se achava no seu ápice, o Sindeute dessidiu que era hora de acabar com ela.

Naquele dia, a Praça da Assembléia estava lotada como nunca antes. Entretanto, muitos que lá estavam não eram professores, mas sim infiltrados do governo estadual. Entre estes se achavam policiais à paisana, mães e pais de alunos, alunos, e outras figuras, possivelmente compradas pelo govertno do Estado.

Estes infiltrados estavam ali, não para apoiarem os professores, mas sim para levantarem a mão no momento oportuno. É que para determinar o fim da greve de professores basta levantar a mão. E como os infiltrados eram tantos, foram eles quem decidiram os rumos da greve no ano passado.

Você deve se lembrar muito bem que naquele dia, subi até o palco onde você estava para informá-la da situação. Disse a você: “tem infiltrados em todos os lugares aqui”...Eles decidirão os rumos da greve.. .Ainda disse a você que a greve não poderia terminar daquela forma. Seria necessário marcar um outro encontro, em que somente professores estivessem presentes, com seus contracheques em mão. Você não escutou e conduziu o término da greve...Que pena!!!
Espero que este ano não passemos pelo mesmo vexame, que não sejamos mais uma vez enganados...
Estamos de olho...!

Outra coisa: nos últimos 10, 20 anos, temos visto a mesma situação: assembléias, discursos, passeatas...Entretanto, o salário do professor continua cada vez mais achatado. É preciso ousar mais, propor ações mais dinâmicas e concretas juntamente com a greve. É preciso agredir mais o governo, os políticos, os magistrados, que pouco se importam com a Educação. E neste ponto, me refiro a todos os políticos, que normalmente são conchavados nos bastidores sujos da política brasileira.

É preciso denunciar os conchavos que acontecem na Assembléia Legislativa, é preciso propor uma campanha de voto nulo junto à comunidade escolar, junto à população em geral...

Também é preciso que sejamos realistas: o governo conhece nossa fragilidade, o governo tem o controle da classe, pois ele a fragmenta e a desestabiliza cada vez mais através do uso de designados, efetivados, etc. Qualquer um pode dar aulas hoje, quer seja habilitado para isso ou não. E o governo quer que este quadro continue assim mesmo, pois assim será mais fácil manipulá-lo.

A greve é um instrumento legal e legítimo para nossas reivindicações. Entretanto, sejamos mais criativos e mais agressivos ao lidar com políticos sujos e um sistema político nefasto. Sabemos que sempre haverá pelegos infiltrado na classe, e por isso devemos ser mais audaciosos e dinâmicos na nossa proposta de greve.

Atenciosamente,

Raimundo Santos
Professor na E.E.Francisco Brant

Raimundo Santos disse...

Prezada Beatriz, pela terceira vez posto meu comentário aqui, mas pelo visto você se nega a mostrá-lo no seu blog porque, diferente dos comentários aqui, não traz, necessariamente, elogios a você. Vejamos mais uma vez!

Talvez você não se lembra, mas no final da greve do ano passado, momento em que esta se achava no seu ápice, o Sindeute dessidiu que era hora de acabar com ela.

Naquele dia, a Praça da Assembléia estava lotada como nunca antes. Entretanto, muitos que lá estavam não eram professores, mas sim infiltrados do governo estadual. Entre estes se achavam policiais à paisana, mães e pais de alunos, alunos, e outras figuras, possivelmente compradas pelo govertno do Estado.

Estes infiltrados estavam ali, não para apoiarem os professores, mas sim para levantarem a mão no momento oportuno. É que para determinar o fim da greve de professores basta levantar a mão. E como os infiltrados eram tantos, foram eles quem decidiram os rumos da greve no ano passado.

Você deve se lembrar muito bem que naquele dia, subi até o palco onde você estava para informá-la da situação. Disse a você: “tem infiltrados em todos os lugares aqui”...Eles decidirão os rumos da greve.. .Ainda disse a você que a greve não poderia terminar daquela forma. Seria necessário marcar um outro encontro, em que somente professores estivessem presentes, com seus contracheques em mão. Você não escutou e conduziu o término da greve...Que pena!!!
Espero que este ano não passemos pelo mesmo vexame, que não sejamos mais uma vez enganados...
Estamos de olho...!

Outra coisa: nos últimos 10, 20 anos, temos visto a mesma situação: assembléias, discursos, passeatas...Entretanto, o salário do professor continua cada vez mais achatado. É preciso ousar mais, propor ações mais dinâmicas e concretas juntamente com a greve. É preciso agredir mais o governo, os políticos, os magistrados, que pouco se importam com a Educação. E neste ponto, me refiro a todos os políticos, que normalmente são conchavados nos bastidores sujos da política brasileira.

É preciso denunciar os conchavos que acontecem na Assembléia Legislativa, é preciso propor uma campanha de voto nulo junto à comunidade escolar, junto à população em geral...

Também é preciso que sejamos realistas: o governo conhece nossa fragilidade, o governo tem o controle da classe, pois ele a fragmenta e a desestabiliza cada vez mais através do uso de designados, efetivados, etc. Qualquer um pode dar aulas hoje, quer seja habilitado para isso ou não. E o governo quer que este quadro continue assim mesmo, pois assim será mais fácil manipulá-lo.

A greve é um instrumento legal e legítimo para nossas reivindicações. Entretanto, sejamos mais criativos e mais agressivos ao lidar com políticos sujos e um sistema político nefasto. Sabemos que sempre haverá pelegos infiltrado na classe, e por isso devemos ser mais audaciosos e dinâmicos na nossa proposta de greve.

Atenciosamente,

Raimundo Santos
Professor na E.E.Francisco Brant

giovannipira disse...

Não há conquistas sem sacrifícios
a greve tem muita força, lamento que
alguns colegas educadores não pensem desta forma.