sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Greve Nacional por Piso, Carreira e 10% PIB para Educação

O Conselho Nacional de Entidades da CNTE (composto por todos os sindicatos que representam os trabalhadores em educação dos estados e de vários municípios) discutiu e deliberou pela articulação de uma greve nacional em 2012. O movimento nacional terá como eixos o Pagamento do Piso Salarial Profissional Nacional, a carreira dos profissionais da educação e pelo investimento de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para educação publica imediatamente.
Outra questão importante é a vitoria da CNTE, e portanto de todos os trabalhadores e trabalhadoras em educação da rede pública do país, a respeito do reajuste do Piso Salarial. O Governo Federal recuou e aplicara como índice para o reajuste o determinado pela Lei Federal 11.738/08 para 2012 e não pelo INPC. Este resultado é fruto de um processo de pressão da Confederação e da categoria de todo país junto aos deputados federais e Governo Federal.
Desta forma, o reajuste do custo aluno será definido em 21,97%.
Estas são boas notícias para a categoria e uma péssima noticia para o Governo de Minas que já contava com o reajuste do Piso Salarial apenas pelo INPC e assim tentar desqualificar o Piso Salarial como política de valorização da categoria. Permanece o abismo entre os reajustes: o Piso Salarial com um reajuste de 21,97% e o reajuste do subsidio será de 5%.
GREVE NACIONAL: 14, 15 e 16 de marco de 2012.

3 comentários:

Anônimo disse...

Vamos começar a trabalhar está greve de março de 2012 agora...se temos esta chance acredito que todos estão desgostosos com a desvalorização da carreira e apoiarão o movimento em massa...agora é nacional e com certeza chamará muito a atenção quer queira quer não de todos...vamos saber usar as redes sociais minha gente...muitas revoluções ganharam espaço e vitória nelas....Digo de novo:começar AGORA!

Pedro Antonio disse...

Então temos que começar a greve antes de março pq aí emenda com a Greve Nacional.

Vamos lutar
Pq só assim vamos conseguir, pois se dependermos do Governo Anastasia vamos morrer na miséria.


O Salário em Minas é vergonhoso.
Todos associam professor a salário baixo, é só pesquisar nas ruas.

Tiarles M. Rodeghiero disse...

É importante que mostremos para as pessoas que esta não é uma luta focada apenas em interesses salariais; é uma luta por uma educação melhor. Educação não é gasto, é investimento, e investir nos professores é uma das formas de fazer isso. E esse 10% do PIB em educação é o mínimo que o Brasil deve fazer. Nos mostramos uma potência econômica emergente e continuamos com uma educação mega subdesenvolvida. Isso é absurdo!
Justamente graças à falta de educação, muitas pessoas não entendem o sentido dessas greves e cabe a nós explicar e convencê-las que esta é uma luta pelo bem comum de todos.