terça-feira, 14 de maio de 2013

Tirar professor da escola é investir na ignorância


 
Quando foi anunciado que o Brasil sediaria a Copa do Mundo de Futebol em 2014, o sentimento em todo o país foi de orgulho. Finalmente o mundo reconhecia a nossa importância neste esporte. O anúncio de que sediaríamos as Olimpíadas de 2016 consagrou este orgulho.
 
Além do investimento em estrutura, o governo federal criou programas visando estimular a prática de esportes como o Programa Atleta na Escola, lançado pelo Ministério da Educação (MEC), com o objetivo de descobrir, entre os alunos novos, talentos e transformá-los em atletas.
 
Várias experiências já divulgadas demonstram que o esporte serve como instrumento de resgate social de crianças e adolescentes em situação de risco, contribui para a socialização, o respeito às regras, o aprendizado sobre a tolerância, quando  queremos ganhar e acabamos perdendo.
 
Na escola, a Educação Física hoje tem valor igual aos demais componentes curriculares na escola, abandonando o entendimento de ser apenas uma atividade recreativa. Está no rol dos direitos das crianças e adolescentes a uma educação de qualidade.
 
O nosso famoso Mineirão será um dos estádios que sediará jogos da Copa do Mundo e da Copa das Confederações. Recebeu milhões de reais em investimentos para melhoria de sua estrutura. Mas, enquanto o Governo do Estado investe em estádio, ele retira mais de 15 mil professores de Educação Física e Ensino Religioso das turmas dos anos iniciais do Ensino Fundamental.
 
O argumento apresentado pela Secretaria de Estado de Educação é que a disciplina de Educação Física, no início da escolarização da criança, deve ser ministrada pelos mesmos professores que já são responsáveis pelos demais conteúdos curriculares. A Secretaria voltou à década de 70 para defender que, no início do Ensino Fundamental, a criança somente terá um professor. Com isso, ela ignora inúmeras experiências bem sucedidas de trabalho com mais de um professor nesta etapa do ensino.
 
Como o nome nos alerta, “anos iniciais” significa o início, é o primeiro momento da criança na escola. É neste período que se forma, na escola, a base da criança, na alfabetização, nos conceitos matemáticos, nos valores de respeito, na socialização e também no gosto pelo esporte. Educação Física não é mera recreação, precisa de professores com formação específica para possibilitar que esta disciplina cumpra seu objetivo. Mas é nesta etapa que o governo mineiro sonega o direito da criança e proíbe que ela tenha aulas de educação física. Terá apenas recreação.
 
A medida trouxe inúmeros problemas como a sobrecarga de trabalho das professoras responsáveis por estas turmas, a demissão imotivada de professores contratados no início do ano letivo, professores de Educação Física sendo obrigados a assumir outras disciplinas como geografia, por exemplo.
 
Todas as tentativas de diálogo com a Secretaria de Educação foram ineficazes. Até Audiência Pública realizada pela Assembleia Legislativa já aconteceu e a Secretaria permanece inerte. Com esta política seremos bons anfitriões para os eventos esportivos, mas, não formaremos uma cultura pelo esporte em nosso Estado. É o governo de Minas investindo na ignorância.

2 comentários:

Hilda Loiola disse...

Olá Beatriz,
Gostaria que o sindicato se posicionasse quanto a antecipação de tutela. O que devemos fazer? Questionei meu diretor e ele disse que não tem nada de orientação. Ao contrário recebemos a "cartinha" da GAZZOLA com mais e mais mentiras. Conversando com alguns colegas estes sugerirem fazermos um requerimento solicitando que seja cumprida a Antecipação de Tutela. Como podemos fazer? Aguardo

Tarja Preta disse...

Gostaria que vocês do sin-dUTE, fizessem uma apreciação do PiBid - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência que dá R$ 400 para estudantes de licenciatura, do programa do MEC "Quero Ser Professor, Quero Ser Cientista". Segundo Mercadante, alunos terão um tratamento diferenciado a partir do 1º ano do Médio e que queiram se formar em Física, Química, Biologia e Matemática. Grata.